O Teatro Campo Alegre estreia nesta sexta-feira “Bisonte”, o novo espetáculo de dança do coreógrafo Marco da Silva Ferreira, que o assume como um trabalho de autor baseado em referências biográficas e autorreferenciais.

Este é um espetáculo que leva a cena danças densas, virtuosas e dominantes, para falar de algo comum a todos: a identidade e honestidade do ser humano.
Com “Bisonte”, Marco da Silva Ferreira, artista associado do Teatro Municipal do Porto para as temporadas 17/18 e 18/19, procura expor o contexto das danças urbanas onde há uma certa “hiper-masculinização” em paralelo com um universo queer e feminista, identidade deste tempo e desta geração.
Quais são as masculinidades que são criadas e/ou mantidas ainda hoje? Que feminino é esse que se afirma, ele próprio, como algo masculinizado? Que seres humanos são estes que ainda medem a sua força pelo porte, pela rapidez, pela força? Que usam o físico, o poder e o sexo para se afirmarem superiores aos outros? – “Ao criar estas noções de género, sei que algumas ideias estereotipadas de masculino e feminino estarão lá plasmadas, algo que não me interessa, não pretendo fazer nenhum tipo de manifesto”, sublinha o coreógrafo.
“Bisonte” é apresentado às 21 horas de sexta-feira e às 19 horas de sábado.