A Plataforma rede 8 de março vai apresentar, no Porto, o manifesto que tem sido trabalhado para a greve feminista de 2019, na presença de uma ativista espanhola, disse hoje um dos elementos da organização.

“O manifesto explica sucintamente os quatro eixos da greve, porque não é só uma greve laboral, também é uma greve ao trabalho dos cuidados e das tarefas domésticas que são, na sua maioria, tidos pelas mulheres e limitam-nas numa série de contextos de participação, seja ela política, seja mesmo no direito ao lazer”, explicou Patrícia Martins.
Esta ativista integra a associação “A Coletiva”, uma das mais de 30 associações e sindicatos que estão a trabalhar na Plataforma rede 8 de março com o intuito de organizarem no Dia Internacional da Mulher de 2019 uma greve feminista nacional, com manifestações por todo o país, à semelhança do que aconteceu este ano em Espanha.