As obras no metropolitano da cidade do Porto devem prolongar-se durante 30 meses, revela estudo de impacto ambiental.
Ampliação do Porto vai causar enormes contratempos na cidade e irão prolongar-se por 30 meses, revela o Estudo de Impacte Ambiental, que se focou na construção da circular entre a Estação de S. Bento e a Casa da Música. Mas conclui que no final os impactos serão “positivos e significativos”.
O relatório vai estar em discussão pública até meados de Dezembro. No documento a equipa técnica refere que a fase da construção vai causar o maior impacto negativo, já que a construção das estações vai implicar a “interdição de áreas significativas”.
A equipa elenca que se vai verificar uma “degradação do ambiente visual” e ainda a “perturbação com ruído”, referindo ainda que se vai verificar produção de poeiras e um aumento da perturbação do tráfego rodoviário.
O estudo focou-se nos troços entre a Boavista e a Casa da Música e ainda entre a Praça da Liberdade e São Bento, uma extensão de “apenas cerca de 3 km de extensão” e que se desenvolve “totalmente em túnel”, compondo-se por quatro estações: Praça da Liberdade/São Bento, Hospital de Santo António, Galiza e Boavista/Casa da Música.