Um drama passional, um dilema moral, uma tragédia contemporânea, no Teatro S. João, de 8 a 25 de novembro.

Nos portos de Nova Iorque, entre emigrantes italianos. A suspeição, o ciúme, a delação, a traição numa altura em que arranca a caça às bruxas do MacCarthismo. Que lei é esta que não respeita a lei de cada um? Quem são os vitoriosos, quais os derrotados? Depois de visitar com regularidade Harold Pinter (15 peças), Pirandello (2), Bertolt Brecht (3) e Tennessee Williams (4), os Artistas Unidos que dedicam particular atenção ao que se escreve agora, entregam-se desta vez ao teatro de Arthur Miller, descobrindo personagens escritos para eles. Traições, contradições, cegueira, leis antigas, leis e morte, sangue de gente pobre. Em palco, falar-se-á de emigrantes, de escolhas difíceis, dos anos 50, dos dias de hoje.

Catherine Diz-me uma coisa. Quer dizer, diz-me só isto, Rodolpho – ainda quererias casar comigo se afinal tivéssemos que ir viver para itália? Se tivesse que ser.
Rodolpho Quem está a perguntar. Tu ou ele?

Arthur Miller, Do Alto da Ponte
tradução/translated by Ana Raquel Fernandes, Rui Pina Coelho
encenação/directed by Jorge Silva Melo
cenografia e figurinos/costumes and set design Rita Lopes Alves
desenho de luz/lighting design Pedro Domingos
desenho de som/sound design André Pires
produção executiva/executive production João Meireles
assistência de encenação/direction assistance Nuno Gonçalo Rodrigues, Inês Pereira
com/with Américo Silva, Joana Bárcia, Vânia Rodrigues, António Simão, Bruno Vicente, André Loubet, Tiago Matias, Hugo Tourita, Gonçalo Carvalho, João Estima, Hélder Braz, Inês Pereira/Sara Inês Gigante, Romeu Vala, Miguel Galamba