O treinador português André Villas Boas admitiu hoje, na Web Summit, em Lisboa, que vai voltar ao banco em 2019, não revelando se fica na Europa ou volta a rumar à Ásia.

A viver um período sabático na sua carreira, “que necessitava de ser reformatada”, o técnico disse que ainda não tem o seu futuro definido, mas que certamente regressará a orientar uma equipa em 2019.
“Ainda não decidi o meu futuro próximo, mas vou voltar a treinar. Sendo na Europa será em junho de 2019, se for na Ásia será antes, em fevereiro de 2019. Estou à espera tranquilamente do próximo projeto e o mais importante é desfrutar da posição de treinador de futebol”, disse o técnico.
Na Web Summit, o treinador desvendou que está a aprender alemão “há dois anos, mas não é nada fácil”.
“Acredito que para chegar à Bundesliga é importante chegar com a língua dominada e é importante ter essa arma. É um mercado em vista”, reconheceu, deixando ainda a garantia que na sua agenda não está um regresso a Portugal, onde “só treinaria o FC Porto”.
Na conversa que manteve na Web Summit, o treinador que levou o FC Porto à conquista da Liga Europa admitiu a sua admiração por Pep Guardiola, que diz que “redefiniu o tempo e espaço do jogo”, por José Mourinho, “que inovou em termos de treino e preparação dos jogos”, e salientou que a sua missão é hoje mais difícil colmo treinador por se viver uma vaga em que são mais valorizados os técnicos que foram jogadores, citando os exemplos de Zidane, Thierry Henry e Conte.
“Eles têm a vantagem de conhecer melhor os jogadores e a mim cabe-me fazer um esforço por percebê-los melhor, estar mais com eles e falar mais com eles”, terminou.
A cimeira tecnológica, de inovação e de empreendedorismo Web Summit nasceu em 2010 na Irlanda e mudou-se em 2016 para Lisboa, devendo permanecer até 2028 no Altice Arena (antigo Meo Arena) e na Feira Internacional de Lisboa (FIL), em Lisboa.
Nesta terceira edição do evento em Portugal são esperados cerca de 70 mil participantes de mais de 170 países.