A Universidade do Porto está a trabalhar na criação do futuro Museu de Ciência e Tecnologia de Angola, a ser erguido no Lubango, capital da província angolana da Huíla.

Segundo comunicado enviado à agência Lusa, uma equipa de especialistas da Universidade do Porto, liderado pelo Centro De Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos (CIBIO), está desde o início do mês a desenvolver o projeto.
Sob a coordenação de Nuno Valentim e de Aníbal Costa, professores das faculdades de Arquitetura e de Engenharia da Universidade do Porto, e com a participação de especialistas nas áreas da engenharia, arquitetura, topografia e museologia, o projeto está integrado no quadro de um programa em que Portugal coordena uma rede de investigação científica em seis países africanos.
O novo espaço museológico integra o plano de ação da Cátedra UNESCO ‘Life on Land’, dedicada ao desenvolvimento de uma rede colaborativa com instituições de ensino e investigação de seis países africanos na área da conservação da biodiversidade e da gestão e preservação dos recursos e do património natural.
O futuro museu será construído a partir das coleções científicas do Instituto Superior de Ciências da Educação (ISCED), preservadas pelo Herbário do Lubango, bem como do espólio tecnológico e acervo documental do Caminho de Ferro de Moçâmedes.
Já em fase avançada de elaboração, o projeto prevê, também, a criação de polos de investigação científica ligados aos temas da biodiversidade, tecnologia dos caminhos-de-ferro e estudo das dinâmicas sociais desencadeadas pela implantação e desenvolvimento destas infraestruturas na região.
Além de Angola, também Cabo Verde, Moçambique, África do Sul, Namíbia e Zimbabué fazem parte da rede colaborativa dedicada à capacitação científica e tecnológica e transferência de conhecimento.