O Family Film Project – Festival Internacional de Cinema de Arquivo, Memória e Etnografia está de volta ao Porto para apresentar a 7.ª edição, com um programa renovado de sessões competitivas (14 filmes em competição), masterclasses, eventos performativos, vídeo-instalações. Com o seu tradicional enfoque nas paisagens familiares e no cruzamento entre a intimidade e o olhar etnográfico, o festival acontece de 15 a 20 de outubro no Cinema Passos Manuel, Coliseu Porto AGEAS e Maus Hábitos.
A programação está dividida em três zonas temáticas: Vidas e Lugares, focada num registo voyeurístico, biográfico ou documental; Memória e Arquivo; e Ligações, centrada nas dinâmicas interpessoais e comunitárias.
Daniel Blaufuks é o artista convidado desta edição e traz uma seleção de quatro filmes experimentais que serão apresentados pelo autor nas duas últimas noites do festival, dias 19 e 20: “Sob Céus Estranhos” (2002), “The Absence” (2009), “Carpe Diem” (2010) e “Como Se” (2014).
O júri – composto pela artista Gabriela Vaz Pinheiro, pela socióloga e historiadora Paula Rabinowitz e pela poetisa, cineasta e dramaturga Regina Guimarães – vai atribuir o Grande Prémio do Júri e o Prémio para Melhor Ficção.
Entre os destaques da programação estão, também, as masterclasses gratuitas dos norte-americanos Bill Nichols e Paula Rabinowitz, conseguidas em parceira com o Instituto de Filosofia da Universidade do Porto.
A sessão de abertura está marcada para as 21,30 horas do dia 15, no Cinema Passos Manuel, onde será exibido o filme vencedor da edição de 2017: “A Grande Nuvem Cinza”, do brasileiro Marccelo Munhoz.
O Maus Hábitos recebe um ciclo de performances, Private Collection, com trabalhos de Joana Craveiro, Jorge Gonçalves e Bonneville, além de várias instalações vídeo construídas a partir de filmes da programação.
O festival é organizado pelo Balleteatro, estrutura residente no Coliseu Porto AGEAS, financiado pelo Governo de Portugal e a DGArtes, e em coprodução da Câmara do Porto.
“Marias da Sé” de Filipe Martins em estreia no Porto
No dia 17 de outubro, em sessão especial no Passos Manuel, pelas 21,30 horas, é apresentada, pela primeira vez, à cidade a longa-metragem “Marias da Sé”, do realizador Filipe Martins, numa produção do Balleteatro que contou com o apoio da Câmara do Porto.
O filme surge de um desafio lançado ao realizador Filipe Martins pelo Balleteatro em associação com a empresa municipal Porto Lazer e todo o enredo é protagonizado pela comunidade residente na zona da Sé, que conta com a participação de atores profissionais.
A longa-metragem híbrida situa-se entre o documentário e a ficção e cruza várias linhas narrativas que acontecem num único dia no Porto: uma irmandade de mulheres que se reúnem diariamente para jogar às cartas; um casal de turistas (João Reis e Carla Bolito) que passeia pela zona histórica da Sé; uma atriz solitária em busca de uma personagem (Lígia Roque); um ensaio geral de teatro amador no dia da estreia; e outras micro-histórias que vão surgindo da voz das gentes locais.