O ciclo poético desta semana realiza-se excecionalmente no sábado e cria com a poesia de Mário Cesariny uma envolvência com a população de Aldoar, integrando-se no programa Cultura em Expansão.

“Só a imaginação transforma. Só a imaginação transtorna.” – à boleia deste pensamento de Cesariny, as Quintas de Leitura galgam o leito da tranquilidade e rumam até Aldoar, pelas 21,30 horas do próximo sábado, concretizando um envolvimento com o território e a sua população.
Pondo a poesia à solta pela cidade, o ciclo poético programado por João Gesta realizou um casting aberto aos residentes da freguesia e procedeu a uma formação de vários meses, que foi uma espécie de laboratório poético dirigido por Ana Celeste Ferreira. Agora, juntam-se artistas locais (dizedores, atores, músicos, artistas plásticos) a “magos” oriundos de outros horizontes, unidos na “busca furiosa dos mandamentos que nos são sagrados: a Liberdade, o Amor, o Desejo e a Poesia, a nossa mais profunda e verdadeira via de conhecimento”.
São esses os temas que inspirarão a apresentação final deste sábado, que envolverá todos os artistas selecionados no Auditório do Centro Paroquial de Aldoar. Contará também com leituras por Patrícia Queirós, Rui Spranger (Pé de Vento), Berna, Ana Paula Dória, Carlota Castro, Cuca Sarmento, Joana Bastos, Maria de Fátima e Sofia Bilhau, sendo a imagem em tempo real de João Alexandrino (conhecido como JAS).
Haverá ainda música pelo grupo coral LAETARE e com Ricardo Caló (piano), Ana Celeste Ferreira (voz) e Dois Brancos & Um Preto.
Esta festa da poesia, com entrada livre, constitui assim a primeira Quinta de Leitura a um sábado e faz parte do programa municipal Cultura em Expansão.