A greve dos enfermeiros obrigou esta quarta-feira ao encerramento da “grande maioria” dos blocos cirúrgicos dos grandes hospitais do distrito Porto, estando, nalguns casos, a funcionar apenas “as salas de resposta às situações de urgência”, disse fonte sindical.

Fátima Monteiro, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, citou o caso dos hospitais de Vila Nova de Gaia e Padre Américo, em Penafiel, onde “estão encerradas as cirurgias programada e de ambulatório”.
No Hospital de São João, segundo Fátima Monteiro, “das 12 salas, dez estão encerradas, incluindo os blocos de oftalmologia, estomatologia, neurocirurgia e cirurgia torácica. Só estão a funcionar duas salas e uma é das urgências”.
“Na Póvoa de Varzim também só se realizam cirurgias de urgência e no Santo António, no Porto, das 19 salas, 14 estão encerradas”, disse, considerando que o encerramento das salas e consequente adiamento de cirurgias programadas é “uma situação transversal à maioria dos hospitais”.
A dirigente do SEP considera que a adesão dos enfermeiros, que “deve rondar os 80%, reflete bem o descontentamento destes profissionais”.
Em seu entender, “o adiamento da reunião [com o Governo] de 04 para 12 de outubro é inaceitável e provoca nos enfermeiros um sentimento de falta de respeito por parte do ministério”.
“Os enfermeiros não vão de ânimo leve para a greve, fazem-na porque o Governo os empurra, ao não dar resposta aos seus problemas, que são implicitamente também muitos dos problemas do Serviço Nacional de Saúde, nomeadamente a carência de enfermeiros”, referiu.
Para Fátima Monteiro, “a não valorização das suas carreiras leva à desmotivação, com consequências também no dia a dia da prestação de cuidados”.
“Esperemos que o Governo não adie de novo a reunião e não torne a empurrar os enfermeiros para a greve. Depende do Governo a continuidade deste protesto ou não, se tiver resposta aceitável para resolver o problema dos enfermeiros, logicamente os sindicatos dos profissionais de enfermagem saberão avaliar e suspender a greve, se for o caso”, acrescentou.
Os enfermeiros iniciaram hoje o primeiro de seis dias de greve para exigir ao Governo que apresente uma nova proposta negocial da carreira de enfermagem que vá ao encontro das expectativas dos profissionais e dos compromissos assumidos pela tutela.

Com início às 08:00, a greve realiza-se hoje exclusivamente nos hospitais (blocos operatórios e cirurgia de ambulatório) e na quinta-feira em todas as instituições de saúde do setor público que tenham enfermeiros ao serviço, segundo o pré-aviso de greve.

A paralisação nacional repete-se nos dias 16, 17, 18 e 19 de outubro, dia em que está marcada uma manifestação em frente ao Ministério da Saúde, em Lisboa, para exigir do Governo o cumprimento dos compromissos que assumiu mo processo negocial de 2017.

Os sindicatos exigem a revisão da carreira de enfermagem, a definição das condições de acesso às categorias, a grelha salarial, os princípios do sistema de avaliação do desempenho, do regime e organização do tempo de trabalho e as condições e critérios aplicáveis aos concursos.

A greve é convocada pelo Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP), pelo Sindicato dos Enfermeiros da Região Autónoma da Madeira (SERAM), pelo Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (SINDEPOR) e pela Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros (ASPE).