Várias pessoas concentravam-se em frente à sede da comissão eleitoral e incendiaram o carro da juíza Natacha Amado Vaz, que, segundo os manifestantes, está no interior da sede a recontar os votos.

A polícia militar são-tomense disparou esta segunda-feira tiros para o ar para dispersar a multidão concentrada em frente à sede da comissão eleitoral do distrito de Água Grande para contestar a recontagem de votos das legislativas de domingo.
Centenas de pessoas concentravam-se, ao final da tarde, em frente ao edifício, na capital são-tomense, e incendiaram o carro da juíza Natacha Amado Vaz, que, segundo os manifestantes, está no interior da sede a realizar uma recontagem de votos.
“A juíza decidiu a recontagem dos votos e está a deslocar votos nulos a favor da ADI [Ação Democrática Independente, partido no poder e que venceu as eleições legislativas de domingo]”, afirmou à Lusa Elsa Pinto, vice-presidente do Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe – Partido Social Democrata (MLSTP-PSD), segundo classificado nas eleições e que reivindica ter conquistado a maioria absoluta, em conjunto com a coligação opositora PCD-MDFM-UDD.
Alguns manifestantes começaram a destruir o carro da juíza, que se encontrava em frente ao edifício, e acabaram por lhe pegar fogo, originando várias explosões. A polícia procurou dispersar a multidão, mas sem sucesso.