Jogo muito disputado, faltoso e intenso durante a primeira parte, com ambas as equipas a tentar, com pouco sucesso, chegar às balizas. Aos 32 minutos, Lema vê amarelo depois de Marega puxar dos galões e deixar o argentino para trás. O central ficava amarelado e tinha Marega a cair constantemente na sua zona de ação.
Dois minutos depois, aos 34, pede-se penálti na Luz. Marega, de novo. aparece em velocidade dentro da grande área do Benfica com Rúben Dias no ombro a ombro. O maliano acaba por cair, mas Fábio Veríssimo considera o lance legal e assinala canto para o FC Porto.
Da primeira parte fica o perigo criado pelo Benfica, sobretudo de bola parada, e a eletricidade de Marega e Soares na frente de ataque do FC Porto.
A segunda parte começou com os ânimos muito exaltados. Cervi entra na grande área a partir do lado direito e é travado, ficando os benfiquistas a pedir falta. Salvio não gostou, Militão caiu e André Almeida bateu a bola na direção do brasileiro. Fábio Veríssimo foi obrigado a colocar-se no meio de vários jogadores de ambas as equipas, tentando acalmar os ânimos. A situação acalmou sem necessidade de expulsar ninguém.
Seferovic apontou o único golo do clássico, encontro marcado pela expulsão de Lema, aos 82 minutos.