Cumpriu-se este domingo a 12.ª edição da Meia Maratona do Porto, prova que juntou mais de 11 mil participantes entre a corrida principal (21 km) e a mini maratona (6 km). Sem surpresa, os atletas quenianos dominaram em toda a linha, tal como no ano anterior, vencendo tanto no setor masculino como no feminino. 

Mike Kiptum Boit revelou-se o mais forte na fase final, cortando a meta com o tempo de 01h00m53s, na frente dos compatriotas Abraham Kasongor Akopesha (01h01m19s) e Ishmael Chelanga Kalale, este com o tempo de 01h02m00s.
Mas numa prova em que todos os participantes são vencedores, a moldura humana que se compôs nas marginais do Porto e de Gaia, mais uma vez mais o palco do percurso dos clássicos 21,097 km que perfazem a Meia Maratona do Porto, é a imagem que, certamente, mais ficará na memória das milhares de pessoas que também acompanharam a prova ao longo de todo o percurso.
Em puro contraste com o intenso calor verificado na última edição da prova, a 12.ª edição da Meia Maratona do Douro fez-se em dia de nevoeiro cerrado.
Se as condições até pareciam ideais para os mais de 11 mil corredores que se dividiram pela prova principal e pela mini maratona, a verdade é que nenhum dos atuais recordes da prova acabaria por ser batido no final, confirmando-se apenas o esperado domínio dos atletas quenianos que, no setor masculino, monopolizaram mesmo os quatro primeiros lugares.
Luís Saraiva, em representação do SC Braga, foi o primeiro português a chegar à meta instalado no Jardim do Calém, no 13º lugar, registando a marca de 01h07m23s, sendo seguido de José Moreira (Sporting CP), no 14º posto, com o tempo de 01h07m25s.
No lado feminino, o domínio africano manteve-se, com Susan Kipsang Jeptoo, do Quénia, a chegar na primeira posição com o tempo de 01h11m06s, seguida da compatriota Sharon Jemutai Cherop, com 01h11m09s e da atleta do Uganda, Juliet Chekwel, terceira com o tempo de 01h11m55s.
Susana Godinho, do Sporting Clube de Portugal, foi a primeira portuguesa a chegar à meta, na 7ª posição, registando a marca de 01h18m47s.
Participaram na prova atletas de cerca de 50 países vindos dos cinco continentes.
Refira-se que, este ano, e pela primeira vez, a Meia Maratona do Porto associou-se ao movimento “Egoísmo Positivo”, possibilitando que várias pessoas pudessem participar na prova em cadeira de rodas, acompanhadas por atletas deste movimento.