A Feira do Livro do Porto é também sinónimo de exposições e, neste caso, de como a cidade foi vista e sentida por quem cá veio de fora e registou esse percurso. “Porto sentido de fora: Livros e guias de viagem de Portugal entre a Monarquia Constitucional e o Estado Novo (1820-1974)” é uma mostra que funde emoções, cores e cheiros do Porto e que se encontra patente na Mezzanine da Galeria Municipal.

A exposição, que foi pré-inaugurada por Marcelo Rebelo de Sousa, aproveitando a visita que fez à Feira do Livro do Porto, tem autoria dos docentes e investigadores da Universidade do Porto Vasco Ribeiro, Elisa Cerveira, Emília Dias Costa e Ana Boura.
“Porto sentido de fora” parte de um “corpus” com mais de 300 obras, reunidas a partir de uma coleção particular e do acervo da Biblioteca Municipal do Porto e pretende mostrar como o Porto foi sentido pelos autores dos livros e guias de viagens publicados no estrangeiro durante quatro períodos da História: Monarquia constitucional, Primeira República, Ditadura Militar e Estado Novo.
Podem ser vistas gravuras, fotografias, ilustrações e outros conteúdos sobre o país, com especial destaque para o Porto e as suas gentes, produzidas por autores provenientes de diferentes países, mentalidades e culturas.
O Rio Douro e o Vinho do Porto são já presenças assíduas desde tempos mais remotos, mas as obras recolhidas e expostas são igualmente um espelho da sociedade e das gentes portuenses nos períodos abordados pela mostra.
“Porto Sentido de Fora” conta com o apoio e a coorganização da Câmara do Porto e ficará patente na Mezzanine da Galeria Municipal do Porto de 8 a 23 de setembro, durante a realização da Feira do Livro.