Membro do organismo afirmou que o clube precisa de fazer 122 milhões de euros até ao final do ano. Comissão de Fiscalização garante que tais palavras resultam de “iniciativa individual”.
A Comissão de Fiscalização do Sporting emitiu um comunicado a demarcar-se das palavras do seu membro António Paulo Santos, que afirmou esta quarta-feira que o clube leonino tem “um défice de tesouraria no valor de 122 milhões de euros”.
“As declarações vindas hoje [esta quarta-feira] a público proferidas por Paulo Santos, membro da Comissão de Fiscalização (CF) resultam de uma iniciativa individual, que não compromete a CF e que não tendo sido previamente discutida ou comunicada se torna surpreendente. A CF não tem, por ora, contas fechadas do Sporting Clube de Portugal nem se pronuncia sobre o que cada candidatura entende serem as necessidades do Clube”, esclarece a CF, no comunicado publicado no site do clube.
António Paulo Santos queria dizer que o Sporting teria de fazer 122 milhões até ao final do ano. E que quem assumisse a presidência do Sporting, a partir das eleições de sábado, teria de “conciliar uma gestão financeira rigorosa com o alcançar dos objetivos desportivos”, além de ter “capacidade para negociar com a banca ou outro parceiro”.
A entidade fiscalizadora sublinha que “mantém a sua independência e fidelidade” aos estatutos e regras do Sporting. “Oportunamente, a CF entregará o relatório de actividades ao Presidente cessante da MAG assim como entregará todos os dossiês com que lidou à Comissão Fiscal e Disciplinar que for eleita no próximo dia 8”, acrescenta.
A CP refere, ainda, que espera, “ainda antes das eleições”, “revelar a conclusão ou andamento de alguns processos importantes” para o clube.