“Sejam quais forem os detalhes sobre o arcebispo McCarrick ou aos muitos abusos na Pensilvânia (ou em qualquer outro lugar), já sabemos que uma causa básica é o fracasso da liderança episcopal”, afirma o cardeal Daniel DiNardo.

A Conferência Episcopal dos Estados Unidos (USCCB, na sigla inglesa) pede uma investigação liderada pelos Vaticano, com o apoio de inspetores leigos, aos alegados abusos sexuais cometidos pelo cardeal Theodore McCarrick, que resignou no mês passado.
O pedido dos bispos norte-americanos aconteceu dois dias depois do Supremo Tribunal do estado da Pensilvânia ter divulgado as conclusões da maior investigação sobre abusos na Igreja Católica, segundo a qual 301 padres terão abusado de mais de 1.000 menores nas últimas sete décadas.
“Sejam quais forem os detalhes sobre o arcebispo McCarrick nos muitos abusos na Pensilvânia (ou em qualquer outro lugar), já sabemos que uma causa básica é o fracasso da liderança episcopal”, reconhece, em comunicado, o cardeal Daniel DiNardo, presidente da USCCB.
Os bispos norte-americanos defendem “mudanças práticas para evitar a repetição dos pecados e falhas do passado”.
O comité executivo da Conferência Episcopal dos Estados Unidos definiu três objetivos e três princípios para atacar o flagelo dos abusos na Igreja.
Além da investigação ao arcebispo McCarrick, os outros dois objetivos passam pela abertura de novos canais confidenciais para apresentação de queixas contra bispos e resolução mais eficaz de futuras denuncias.
Nas últimas semanas, a Igreja Católica foi assolada por dois casos de alegados abusos sexuais. Além da investigação na Pensilvânia, o cardeal Theodore McCarrick também está sob suspeita, tendo já resignado ao cargo.