Mais de 100 mil pessoas manifestaram-se este sábado na capital da Catalunha.
Milhares de pessoas exigiram, numa manifestação que percorreu as principais artérias de Barcelona, a libertação de presos independentistas e o regresso dos políticos exilados no estrangeiro.
Convocada pela Assembleia Nacional Catalã (ANC), Omium Cultural e Associação Catalã de Direitos Civis (ACDC), a manifestação – realizada sob o lema “Nem prisão nem exílio, queremo-los em casa” – juntou 110 mil manifestantes segundo a Guarda Urbana, enquanto os organizadores referiram 200 mil.
O presidente do Governo Regional, Quim Torra, participou na primeira linha da manifestação, que exigiu a liberdade para os “presos políticos” perante a “indecência” da Justiça espanhola.
Torra denunciou “o relato fictício com que o Estado construiu uma rebelião que não existiu” e defendeu que “o processo de autodeterminação da Catalunha não seja criminalizado”.
A Torra juntou-se a mulher de Carles Puigdemont, o presidente do Governo da Catalunha deposto, que se encontra na Alemanha, e a presidente do parlamento catalão, Marcela Topor, além dos líderes de ANC e Omnium.
Os manifestantes, com bandeiras independentistas, desfilaram entoando palavras de ordem como “Nem um passo atrás” ou “Liberdade para os presos políticos”.O porta-voz do Juntos pela Catalunha (JxCat), Eduard Pujol, exigiu a liberdade dos presos, agora de maneira “mais contundente”, enquanto a coordenadora do Partido Democrata Europeu Catalão (PDeCAT), Marta Pascal, assinalou que “o relato da Justiça espanhola se desfez como um torrão de açúcar”.