A 4.ª edição do Open House Porto voltou a bater recorde de visitas. Entre os cinco edifícios mais procurados, a Câmara do Porto é a preferida no concelho.

A 4ª edição do Open House Porto, que decorreu no fim-de-semana sob o mote da arquitetura industrial, foi a mais visitada de sempre com um total de 31768 visitas aos 65 espaços do roteiro.
O Terminal de Cruzeiros voltou a ser, pela terceira vez, o espaço que mais curiosidade suscitou (5553 visitas), seguindo-se o Mosteiro da Serra do Pilar (2673), o quarteirão da Real Vinícola (1969), a Torre Altice (1912), a Câmara Municipal do Porto (1196) e o Clube Fenianos Portuenses.
Com curadoria dos arquitetos Inês Moreira e João Paulo Rapagão, este programa dedicado à arquitetura industrial “refletiu a vontade de mostrar espaços ligados ao trabalho, uma forma também de contrariar a estigmatização da indústria, demonstrando o seu papel no desenvolvimento da cidade”, diz Nuno Sampaio, diretor-executivo da Casa da Arquitectura (CA)- Centro Português de Arquitectura, entidade produtora e organizadora do evento, em parceria com as câmaras do Porto, Gaia e Matosinhos.
Nuno Sampaio assinala ainda que este Open House “demonstrou a maturidade que o evento ganhou no equilíbrio entre experiência organizativa e qualidade e diversidade do programa oferecido, com excelência de conteúdos, um conjunto de atividades complementares às visitas delineado pelo Serviço Educativo da CA, e horários mais alargados”.
Na organização desta edição estiveram envolvidas mais de 700 pessoas, destacando-se o trabalho dos 270 voluntários, assim como mais de 100 arquitetos e especialistas e mais de 260 representantes dos espaços, além da equipa da Casa da Arquitectura e os fotógrafos e desenhadores que registaram os espaços em imagens.
“Este foi um Open House Porto de consolidação, tendo sido atingido o número de 65 espaços que não se pretende aumentar”, diz ainda o diretor da Casa da Arquitectura. Além disso, foi também o primeiro Open House com a obra da CA já concluída e em funcionamento, também ela instalada num antigo espaço industrial resgatado da ruína e agora dedicado à promoção da arquitetura.
Entre os espaços industriais mais visitados estão ainda as Caves Cockburn’s (613 visitas), Super Bock Casa da Cerveja (465) e Silos de Leixões (452).
A habitação continua igualmente a ser um programa muito procurado: no topo do número de visitas ficou a Casa na Rua do Paraíso (606), seguida pelas Quatro Casas (484) e a Casa do João (386).