Se há uns anos durante as vindimas, alguém dissesse que aquelas cestas gigantes usadas para carregar as uvas iriam ser moda em todo o mundo, ninguém acreditava mas foi isso mesmo que aconteceu. A cestaria portuguesa conquistou fãs em todo o globo e tem feito aparições constantes no mundo digital pela mão de influencers de todo lado.
Desde as pequenas cestas redondas e resistentes, inspiradas pela cestaria agrícola, às cestas mais maleáveis e coloridas com duas asas, tantas vezes usadas para transportar o farnel para o campo, foram muitos os modelos criados por várias marcas de moda. Uma grande parte das marcas continua a respeitar o processo tradicional de produção destas cestas, recorrendo a artesões locais para a sua produção, é o caso da marca espanhola Heimat Atlantica e da portuguesa The Birkin Basket (na foto), criado pela apresentadora Helena Coelho.
Estas cestas vieram para ficar e até já chegaram às marcas de grande consumo como a Zara, que tem um modelo muito similar aos feitos manualmente em Portugal, mas com um processo de fabrico menos artesanal. Uma tendência que levou para a ribalta um artigo tradicionalmente português (apesar de existir produção de cestaria em vários países) e a que devemos aderir todas – é quase uma questão de orgulho nacional. Sempre que possível devemos privilegiar a cestaria que respeita o artesanato, porque estamos a contribuir para a longevidade de uma tradição, cujo fim já foi várias vezes anunciado, mas também porque é muito mais sustentável.