Cerimónia do 44.º aniversário do 25 de Abril teve o Parlamento como ponto fulcral. “Celebrar o 25 de Abril em Portugal de 2018 é também aprender a não ir por caminhos indesejáveis”, disse Marcelo.

“Sem o abril de 74 teria sido mais longo, sofrido e complexo o compasso de espera pela liberdade e democracia”, afirma o Presidente da República, agradecendo aos capitães de abril.
Marcelo Rebelo de Sousa faz agora várias reflexões. “A Europa perdeu sempre ao dividir-se e ganhou pouco que fosse ao unir-se (…) o percurso para as convergências e paz foi e é desafiante e nunca deve esquecer o mais importante: os europeus. Em segundo, as forças armadas portuguesas constituem um fator nuclear de identidade nacional (…) A instituição militar mantém centralidade quando se reforça a democracia. Afirmá-lo sempre é imperativo”.
Marcelo Rebelo de Sousa defende que é preciso estar atento aos “perigosos apelos populistas” que possam ganhar espaço no “vazio de soluções” deixado pelos protagonistas.