Filas intermináveis obrigam utentes a percorrer várias estações de metro para tentar comprar o passe.

“Passei uma manhã inteira na estação da Senhora da Hora, em Matosinhos, e não consegui ser atendida. Tentei no S. João, mas quando lá cheguei já nem havia senhas. E agora estou aqui na fila [S. Bento] há mais de duas horas. É inacreditável”. Este foi o cenário que Alice Henriques, 46 anos, encontrou quando foi renovar o passe Andante, que serve para metro, STCP, comboios e algumas operadoras privadas. Um cenário que se repete, por estes dias, em quase todas as estações e lojas Andante.

Terça-feira à tarde, em S. Bento, a longa fila para a obtenção e renovação dos títulos mensais tornou-se num obstáculo para os turistas que tentavam fotografar os azulejos do edifício. Sem sistema de senhas, restava aguentar as horas de espera em pé. “Ainda nem consegui almoçar”, desabafou Fernanda Ribeiro, 54 anos, adiantando que já tinha passado “um dia inteiro” na estação de General Torres, em Gaia, mas sem sucesso.

Nas estações da Trindade e do Hospital de S. João funciona um sistema de senhas, que permite, por exemplo, que as pessoas vão tomar um café enquanto não chega a sua vez. Mas conseguir senha não é tarefa fácil. É que depois da abertura das bilheteiras, uma ou duas horas são o suficiente para estas esgotarem. “Às 12 horas já não havia senhas”, contou, ontem, Ana Oliveira, 18 anos, que ouvia música enquanto esperava, sentada no chão, na loja da Trindade. “Por acaso tive sorte, porque uma senhora cedeu-me a senha dela, mas já estou à espera há mais de três horas”, referiu.

As queixas faziam-se ouvir no interior e no exterior das estações e alguns diziam mesmo nunca ter havido um ano assim. “Todos os anos, por esta altura, há mais gente, até por causa do início do ano letivo, mas este ano está uma vergonha”, exclamou Carolina Novo, 20 anos, que também já tinha tentado a sorte noutra estação.

Em Ermesinde, Valongo, a confusão começou logo de manhã. Com uma afluência fora do normal, a fila rapidamente se tornou numa espécie de serpente que contornava o espaço. Uma situação denunciada por alguns dos utentes nas redes sociais.

Contactada pelo JN, fonte dos Transportes Intermodais do Porto (TIP), disse que “a renovação dos títulos de estudante gera sempre uma grande afluência às lojas Andante”. E avançou que “apesar de já ser possível fazer esta renovação desde julho, muitos dos estudantes deixam essa tarefa para os últimos dias”. Para prevenir essa situação, foi feita, “junto da Universidade do Porto e das faculdades mais próximos da rede de metro, uma comunicação intensa”. Contudo, “há de facto uma afluência muito grande e, por isso, está a ser feito um reforço na capacidade de atendimento”.

Facebook
Twitter
Instagram