O PAN Pessoas – Animais – Natureza disse esta terça-feira que a Câmara Municipal do Porto garantiu que as instalações para o novo canil vão estar concluídas em 2017, prevendo-se que tenha 100 boxes para cães e um gatil.

Uma comitiva da representação parlamentar do PAN visitou esta semana o atual Canil do Porto, um espaço que dizem estar “obsoleto”, e reuniu com o vereador do Ambiente, Filipe Araújo, que lhe assegurou que a “Câmara do Porto está a trabalhar no projeto de execução no novo canil (CROA)” e que se prevê que “as instalações estejam concluídas até ao final de 2017”, lê-se num comunicado enviado hoje à comunicação social.

“Foi ainda avançado que se prevê que o canil venha a ter 100 boxes para canídeos e um gatil” e que o projeto do canil pode ser “alvo de consulta pública antes de ser colocado a concurso público”, acrescenta o mesmo comunicado.

A 30 de março de 2015, em declarações à agência Lusa, o vereador do Ambiente da Câmara Municipal do Porto, assumiu que o atual Canil Municipal é uma estrutura “obsoleta”, com mais de 80 anos, que está “degradado” e que a autarquia tinha a intenção de anular aquela estrutura, mal estivesse construído o Centro de Recolha Animal da cidade do Porto.

Na altura, o vereador assumia acreditar que 2016 é o ano para “lançar o concurso da obra”.

O PAN revelou também que a Câmara do Porto está atualmente a “fazer um levantamento do número de colónias de gatos existentes, assim como das associações vocacionadas para o trabalho no terreno para implementação de um programa de “Captura, Esterilização, Devolução (CED) no município”.

Durante a visita ao Canil do Porto, o PAN pediu à vereação para que alterasse o regulamento municipal no sentido de não proibir, mas regulamentar” o “ato ético de alimentar animais de rua” transmitiu o “descontentamento crescente dos cidadãos face à “ausência de políticas públicas de bem-estar e proteção animal na cidade do Porto”.

Perto de uma centena de pessoas reuniram-se no domingo passado em frente à Câmara Municipal do Porto para pedir melhores condições para o canil da cidade e apelar para que seja permitido o acesso a voluntários.

Em declarações à Lusa, Sandra Silva, a responsável pela organização da concentração através do Facebook, classificou as atuais instalações do canil municipal como “uma miséria” e sublinhou que “o animal já é abandonado, vai para um canil, ao menos que tenha uma qualidade de vida enquanto espera pela adoção”.

Em março de 2015, cerca de 100 pessoas manifestaram-se à frente do Canil Municipal do Porto contra as condições daquela estrutura e contra o abate de animais e o vereador da CDU da Câmara do Porto, acusou, em conferência de imprensa, a maioria liderada pelo independente Rui Moreira de “nada” fazer para o bem-estar animal e afirmou que o canil não estava licenciado conforme as regras nacionais.

Facebook
Twitter
Instagram