A Câmara do Porto vai tentar vender no dia 21, em hasta pública, as duas frações da Casa Manoel de Oliveira e o Palacete Pinto Leite, prevendo angariar com estes imóveis pelo menos cerca de três milhões de euros.

Num anúncio publicado na edição de hoje do Jornal de Notícias (JN), a autarquia anuncia que vai realizar no dia 21, pelas 10:30, uma hasta pública para vender as duas frações da Casa Manoel de Oliveira, o Palacete Pinto Leite e dois edifícios, na rua de Santa Catarina e na rua Dr. Alberto de Aguiar, respetivamente.

Depois de a hasta pública de maio de 2014 para venda das duas frações da Casa Manoel de Oliveira, na Foz, ficar deserta, a autarquia tentou, sem sucesso, a sua venda por ajuste direto durante um ano.

A Casa Manoel de Oliveira, projetada há cerca de duas décadas pelo arquiteto Eduardo Souto Moura para acolher o espólio do cineasta que morreu em abril, apresenta o valor global de 1,58 milhões de euros, o mesmo montante base da hasta pública de maio de 2014.

Já o Palacete Pinto Leite, que até 2008 acolheu o Conservatório de Música da cidade e cuja venda em hasta pública foi aprovada pelo executivo e em Assembleia Municipal, tendo como condição ser utilizado só para fins culturais, tem um valor base de licitação de 1,55 milhões de euros.

Em declarações à Lusa, em junho, o vice-presidente da Fundação Sindika Dokolo, Fernando Alvim, referiu que a instituição estava à procura de um edifício para acolher a sua futura sede, explicando que o local final para acolher aquela a entidade no Porto “dependerá do desenho final do projeto” a ser delineado, estando a Casa Manoel de Oliveira entre os espaços já visitados, para além do Palácio das Artes da Fundação da Juventude ou o Palacete Pinto Leite, entre outros.

Na ocasião, o então vereador da Cultura, Paulo Cunha e Silva (que faleceu em novembro), afirmou à Lusa que o edifício que vai acolher a Fundação Sindika Dokolo no Porto “só pode estar definido depois de ser comprado” e que a “câmara vai vendo os seus espaços em hasta pública, caso haja interesse da fundação em adquirir um espaço que seja pertença da câmara”.

O prédio em Santa Catarina, composto por dois pisos com logradouro e com uma área coberta de 81 metros quadrados, vai à praça com um valor-base de 71.700 euros.

O edifício na rua Dr. Alberto de Aguiar, com um piso e logradouro e uma área descoberta de 106 metros quadrados, estará à venda por pelo menos 57 mil euros.

As hastas públicas terão lugar no edifício dos Paços do Concelho, no 5.º piso.

O orçamento da autarquia para 2016, aprovado em 30 de outubro, prevê angariar 18,6 milhões de euros com a venda de vários imóveis, entre os quais a denominada Casa Manoel de Oliveira e o Palacete Pinto Leite.

Facebook
Twitter
Instagram